fbpx

Fiz simpatectomia e continuo suando: vale a pena fazer a reversão da cirurgia?

Depois de um dia cansativo e movimentado de trabalho, tudo o que mais queremos é tomar um bom banho, né?

Além de tirar o suor colado no corpo, se lavar também contribui para eliminar o odor desagradável.

No entanto, infelizmente, essa não é uma realidade todos. Por mais que tome um banho bem demorado, quem sofre com a bromidrose sabe que o mau cheiro é persistente e intenso.

Embora essa condição não seja letal, ela atrapalha – e muito! – a vida de quem a tem.

Isso porque, além do mau odor, pessoas com bromidrose ouvem comentários maldosos e passam por situações muito desagradáveis.

Então, não é incomum buscarem métodos de tratamento para diminuir o cheiro ruim e aumentar e melhorar a qualidade de vida.

Uma das estratégias utilizadas para, principalmente, tratar casos graves é a realização de uma cirurgia para bromidrose axilar chamada simpatectomia.

Entretanto, será que é possível fazer a reversão da simpatectomia torácica?

Quer saber mais sobre o assunto? Acompanha a leitura com a gente!

O que é bromidrose?

Pelas pessoas, o termo “bromidrose axilar” é pouco conhecido e pode causar um estranhamento, mas tal vocábulo corresponde a uma condição que é popularmente chamada “cecê”.

Normalmente, ele é proferido para designar e caracterizar o mau cheiro nas axilas.

Mas como, de fato, esse odor desagradável surge?

Para compreender esse assunto, é fundamental que você saiba que nós, humanos, temos dois tipos de glândulas sudoríparas: as écrinas e as apócrinas.

O primeiro tipo citado, as glândulas sudoríparas écrinas, estão espalhadas por toda a superfície da pele e são responsáveis, principalmente, por eliminar o suor, uma solução salina composta por água e sais minerais.

Este tem função termorreguladora e, assim, não exala cheiro.

Já, as glândulas sudoríparas apócrinas estão presentes em determinadas partes do corpo, sendo que as axilas, as mãos e os pés são os mais comuns.

No mais, em relação à elas, o suor é eliminado através dos folículos pilosos e tal solução salina é mistura com restos celulares.

Dessa maneira, quando o suor e os restos celulares entram em contato com micro-organismos, como bactérias e fungos, especialmente em ambientes úmidos e quentes, como as axilas, o odor desagradável começa.

A decomposição é chamada de bromidrose. No caso da bromidrose axilar, como o próprio nome já sugere, o processo decompositor acontece nas axilas.

Para além dela, o mau cheiro pode acometer a virilha e os pés que são, respectivamente, a bromidrose inguinal e a plantar.

Fatores que influenciam a bromidrose axilar (mau cheiro nas axilas)

Apesar do odor desagradável começar devido à presença de micro-organismos, como bactérias e fungos, na combinação de suor e restos celulares, há determinados fatores que contribuem para o aumento da transpiração. Os principais são:

  • Consumo de bebidas alcóolicas
  • Uso de substâncias tóxicas, como o cigarro
  • Consumo frequente de alimentos termogênicos e gorduros
  • Utilização de roupas apertadas e com tecidos grossos, como o sintético
  • Ingestão de determinados medicamentos
  • Ação de alguns hormônios
  • Problemas renais e hepáticos

Tratamento para bromidrose

Quem sofre com o mau cheiro e procura um acompanhamento médico, normalmente, vai em busca de uma cura o que, infelizmente, não surte efeito já que, para a bromidrose, não há cura.

Entretanto, existem métodos utilizados que podem contribuir para a redução do odor desagradável e aumentar e melhorar a qualidade de vida do indivíduo. Os principais são:

  • Uso de antitranspirantes e desodorantes
  • Aplicação da toxina botulínica – chamada de botox

Para além dessas opções, a cirurgia para mau cheiro pode ser considerada em casos mais graves. O procedimento cirúrgico mais comum para a bromidrose recebe o nome de simpatectomia.

O que é simpatectomia?

A simpatectomia é um procedimento cirúrgico que consiste-se na retirada dos gânglios nervosos simpáticos.

Estes, por sua vez, são responsáveis pelo controle das ações involuntárias, como a produção da sudorese no corpo.

Essa cirurgia para bromidrose axilar é conhecida por ter dois tipos: a lombar a torácica. No caso da simpatectomia lombar, os gânglios que são removidos ficam localizados na região lombar.

Já na simpatectomia torática, como o próprio nome sugere, os gânglios retirados ficam no tórax.

Apesar de ser um método simples, a cirurgia para mau cheiro conta com uma micro câmera acoplada. Tal equipamento faz com que o procedimento se torne ainda mais seguro e preciso.

No entanto, assim como qualquer outro método, existem riscos e efeitos colaterais.

A principal e a mais temida das reações é a hiperidrose compensatória. Isso corresponde no aumento do suor excessivo em outras partes do corpo.

Sendo assim, de forma proporcional, pode provocar o aumento do mau cheiro nas axilas, por exemplo.

Esse efeito é bem desagradável e faz com que muitas pessoas desistem da realização da cirurgia para bromidrose axilar.

Valor da simpatectomia

Além dos riscos, dos efeitos colaterais e de como funciona a simpatectomia, o paciente, antes da cirurgia para mau cheiro, também precisa se preparar financeiramente.

Isso porque, normalmente, esses procedimentos cirúrgicos custam um determinado preço.

O valor da simpatectomia varia já que depende da equipe médica, do cirurgião especializado, dos exames pré-operatórios bem como dos remédios que devem ser usados no pós operatório.

Fazendo de forma particular, o preço pode chegar à R$ 18 mil reais.

No entanto, atualmente, determinados convênios autorizam e cobrem esse tipo de procedimento.

No mais, desde 2009, a simpatectomia pode ser realizada, de forma gratuita, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

É possível fazer reversão da simpatectomia torácica?

Infelizmente, não é difícil encontrar pessoas que relatam o seguinte problema: “fiz simpatectomia e continuo suando”.

Isso porque a hiperidrose compensatória é uma realidade para muita gente que via uma solução na cirurgia para bromidrose axilar.

Diante dessa frustação, algumas pessoas procuram fazer a reversão da simpatectomia torácica. Mas será que, de fato, é possível fazer esse procedimento reversivo?

Bom, a reversão da simpatectomia torácica é possível desde que, na cirurgia, tenha sido utilizado clips ou grampos. Dessa maneira, a reversão se constituirá da retirada desses materiais.

Apesar dessa possibilidade, não há garantia completa da reversão da simpatectomia torácica mesmo que haja relatos de chances bem sucedidas e satisfatórias.

E aí, gostou do nosso artigo?

Conhece alguém que fez a reversão da simpatectomia torácica?

Alguma dúvida, crítica ou sugestão? Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *